Pesquisar este blog

Carregando...

Florbela Espanca ao professor italiano Guido Battelli

           Mat., 3-8-1930

           Meu querido amigo,
           Finalmente instalada e um pouco refeita da fadiga da viagem, venho agradecer-lhe a sua última carta recebida em Évora.
           Já tinha saudades de conversar consigo. É assim um católico tão convencido? Eu não sou católica, como não sou protestante nem budista, maometana ou teosofista. Não sou nada. E nem sequer poderá servir-me o preceito divino: “Aquele que me procura, já me encontrou”, porque eu não procuro... O meu racionalismo à Hegel, apoiado numa espécie de filosofia à Nietzche, chegou-me por muito tempo. Hoje... a minha sede de infinito é maior do que eu, do que o mundo, do que tudo, e o meu espiritualismo ultrapassa o céu. Nada me chega, nada me convence, nada me enche. Sou um pobre que nenhum tesoiro acha digno das suas mãos vazias. A morte, talvez... esse infinito, esse total e profundo repouso; não me queira tirar a certeza de que ela é tudo isto: seria uma maldade, quase um crime. Pense bem: eu, que não sei o que é dormir uma noite inteira, dormir muitas, dormir todas e todos os dias e todos os anos, pelos séculos dos séculos! Só esta ideia me faz sorrir. Deve ser tão bom!
           Não sei o que há em mim que me envenena todas as horas da vida. Posso dizer como Duvernois: “Ma vie c'est une promenade de prisonnier dans un chemin de ronde. Je tourne et ne vois que des murs...”Às vezes, parece que tenho qualquer missão a cumprir, qualquer coisa a fazer; mas não sei o que é, não compreendo, e esta inquietação mina-me, roi-me; esta interrogação, esta contínua busca, cada vez mais ansiosa, dentro de mim mesma, desvaira-me. Estou hoje num dos meus dias maus, não lhe devia escrever; mas, erguer todos estes fantasmas em frente da sua alma compreensiva e boa, da sua alma amiga, é um alívio e um refrigério. Perdoe o egoísmo à sua pobre Soror Saudade; hoje mais Soror Saudade do que nunca. Às vezes sinto em mim uma elevação de alma, o vôo translúcido duma emoção em que pressinto um pouco do segredo da suprema e eterna beleza; esqueço a minha miserável condição humana, e sinto-me nobre e grande como um morto. É um instante... Tudo depois é tão vago, de tal maneira solto e impreciso, de tal forma inerte e passivo, que tenho a impressão nítida de ter vindo de longe cumprir a pena do crime de ter nascido. E de todas as minhas tristezas não tenho tirado nada. Boa? Não sei... creio que não. Perdoo facilmente as ofensas, mas por indiferença e desdém: nada que me vem dos outros me toca profundamente. O amor! Ah, sim, o amor! Linda coisa para versos! A minha dolorosa experiência ensinou-me que sou só, que por mais que a gente se debruce sobre o mistério duma alma nunca o desvenda, que as palavras nada exprimem do que se quer dizer e que um grande amor, de que a gente faz o sangue e os nervos e as próprias palpitações da nossa própria vida, não passa duma pobre coisa banal e incompleta, imperfeita e absurda, que nos deixa iguais, miseravelmente iguais ao que éramos dantes, ao que continuaremos a ser. Então... para quê?...
           Tenho imensa pena de lhe não poder dizer, com verdade, que sou feliz. Lembre-se de que eu sou um canceroso: podem as várias morfinas aliviar-me, curar-me nunca. Estou doente, tenho os nervos destrambelhados. Apetecia-me agora estar longe, longe, nesse claustro de Santa Cruz da sua linda Florença. Soror Saudade sentir-se-ia ali no seu lugar; a triste monja sem fé encheria o olhar da luz suave e amortecida, toda em sedas pálidas, que a tardinha lhe trouxesse, como um divino milagre, ao seu coração chagado. Soror Saudade quereria não pensar, sobretudo não pensar, quereria poisar as mãos, devagarinho, no rebordo duma taça de mármore onde dormisse um pouco de água limpa e contemplar, entre os muros do claustro, o céu, lá no alto; em campo azul, um heráldico pombo branco, enquanto lírios muito roxos, a seus pés, inclinassem a cabeça a meditar... O meu grande amigo dirá antes que Soror Saudade precisa, indiscutivelmente, duma cela em Rilhafoles...
           Gosto imenso do seu grande Ruben Darío. Mas também são dele estes dois belos versos:

           “Pues no hay dolor más grande que el dolor de ser vivo,
           Ni mayor pesadumbre que la vida consciente”.

           Os meus progressos em italiano! Si on peut dire... Mereço não 16 mas 0, ou ainda mesmo alguns décimos abaixo de 0. É muito difícil, muito, muito difícil. Eu é que tenho que lhe dar os parabéns pelo seu óptimo português: Bravo! Muito, muito bem! Achei graça à dificuldade do burel e do mel. Que trabalhos por minha causa, e que bondade a sua em se interessar assim por um bichinho tão pouco interessante como eu sou!
           Guardo carinhosamente a promessa da sua visita. Que não fique apenas em promessa... Depressa, sim?
           Fez muito bem em ter dormido como um anjo, pois a causa da insónia seria uma ilusão como muitas... A minha boca é isso tudo só em verso... na realidade é pálida, fria e inexpressiva como a boca duma velhinha morta.
           Tinha assim um tão grande desejo que o Cristo bizantino o remoçasse? Que ideia! Para quê? Eu quereria antes que ele me envelhecesse vinte anos num só dia. Vinte anos! Tanto tempo! Que farei eu ainda de vinte anos, meu Deus?! Tanto, tanto tempo!...
           Envio-lhe os meus dois últimos sonetos. Tenho ultimamente trabalhado bastante. Charneca em Flor está pronto, visto e revisto, e não me parece mal. Que dirá o Mestre?...
           E adeus, um adeus que eu espero seja um “até breve” muito feliz.
           Bela

Florbela Espanca

NOTA: Em 18 de junho de 1930, seis meses antes de sua morte, Florbela Espanca iniciou a correspondência por cartas com o professor italiano Guido Battelli, que tinha na época 62 anos de idade.
           Sabe-se que Florbela estava apaixonada, em meados de outubro do mesmo ano, pelo advogado do Porto, Ângelo César. Menos de dois meses depois ocorreu sua segunda tentativa de suicídio com barbitúricos, na passagem de 7 para 8 de dezembro, precisamente às duas horas da madrugada do dia 8, hora exata em que nasceu e no dia em que completava 36 anos de idade. Florbela morreu em virtude da overdose de barbitúricos, todavia, a certidão de óbito, passada com base nas declarações do carpinteiro Manuel Alves de Sousa, e não no testemunho de algum médico, atesta que Florbela morreu de edema pulmonar às 22 horas do dia 7 de dezembro. (Sua primeira tentativa de suicídio foi em agosto de 1928, em virtude de sua paixão por Luiz Maria Cabral, médico e pianista. Florbela utilizou soporíferosem sua primeira tentativa).
           Em 1931, o professor Guido Battelli publicou o Charneca em Flor, volume composto de 56 sonetos (acrescendo-o, na segunda edição, de mais vinte e oito sonetos, o Reliquiae – na terceira edição acrescentou mais cinco). Battelli publicou ainda nesse mesmo ano oJuvenilia (composto por poemas dispersos de Florbela, na sua maioria pertencentes à fase anterior à primeira publicação) e as Cartas de Florbela Espanca à Dona Júlia Alves e a Guido Battelli (cartas que ele publicou incorretamente, cortando trechos, interpolando outros).

           Do livro Florbela Espanca AFINADO DESCONCERTO (contos, cartas, diário). Coleção Vera Cruz. Organização: Maria Lúcia Dal Farra. Editora Iluminuras, SP, 2002.


Adorno

Um comentário:

  1. Árvores do AlentejoAo Prof Guido Battelli

    Horas mortas... Curvada aos pés do Monte
    A planície é um brasido... e, torturadas,
    As árvores sangrentas, revoltadas,
    Gritam a Deus a bênção duma fonte!

    E quando, manhã alta, o sol posponte
    A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
    Esfíngicas, recortam desgrenhadas
    Os trágicos perfis no horizonte!

    Árvores! Corações, almas que choram,
    Almas iguais à minha, almas que imploram
    Em vão remédio para tanta mágoa!

    Árvores! Não choreis! Olhai e vede:
    - Também ando a gritar, morta de sede,
    Pedindo a Deus a minha gota de água!

    Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

    ResponderExcluir

Deixe marcada a sua impressão.

ShareThis